Imprimir

Eletrobras estima leilão de distribuidoras em 4 de maio - DCI (SP)

FONTE DCI (SP) 

DISTRIBUIÇÃO

A Eletrobras prevê vários interessados em suas distribuidoras de energia, muitos deles tradicionais companhias do setor. O presidente da estatal, Wilson Ferreira Jr., indicou que a licitação para privatização dessas concessionárias deve ocorrer em 4 de maio. “Os interessados principais neste momento são os que já estão no Brasil, os operadores tradicionais”, afirmou Ferreira a jornalistas, apontando Equatorial, Energisa e a italiana Enel entre as interessadas. “Alguns deles já fizeram mais. Já fizeram diligências. E têm demonstrado interesse nessas concessões.” Segundo Ferreira, as distribuidoras da estatal “são grandes oportunidades”, uma vez que há muito espaço para melhorar os indicadores.

“Como é que cria valor em empresa de distribuição? Você tem que ter primeiro perdas reais menores do que as perdas regulatórias. A nossa está maior. Você tem que ter custos operacionais menores do que os custos regulatórios. O nosso está maior”, afirmou. As distribuidoras que a Eletrobras quer vender no Norte e Nordeste, que operam em Acre, Alagoas, Amazonas, Roraima, Rondônia e Piauí, são deficitárias e acumularam dívidas bilionárias. Para viabilizar a privatização, a holding elétrica assumiu R$ 11,2 bilhões em dívida das distribuidoras, além de possíveis passivo extras que surjam para as empresas junto a fundos setoriais, como a Conta de Consumo de Combustíveis (CCC), que custeia subsídios no setor elétrico.

Mas a Eletrobras avalia que decisões judiciais e mudanças legislativas levarão a um recálculo desses passivos, que então se tornariam créditos a receber no valor de até R$ 8,5 bilhões. Esses créditos estão sendo discutidos com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Fiscalizações preliminares da agência haviam apontado que as distribuidoras precisariam devolver até R$ 4 bilhões aos fundos do setor, em um valor que incluía uma cobrança junto à Eletroacre que foi cancelada após uma reavaliação dos técnicos. /Reuters